DAEMON X MACHINA

Compartilhe:

Não dá pra resistir a um jogo de mechas, não é?



DAEMON X MACHINA é um bom jogo de ação, e sua temática de robôs gigantes, ou mechas será o suficiente para atrair muitos jogadores. Mas se sua estética faz com que ele se destaque tanto, o restante do jogo consegue acompanhá-lo?

É aí que as coisas se complicam um pouco: com um combate em geral satisfatório, DXM funciona quase como um shoot 'em up, mas que pode se tornar um pouco confuso tanto pelo ambiente 3D e inimigos ágeis deslizando para todo lado, quanto pela impossibilidade de travar a tela em um deles. Há também um dispensável excesso de complexidade para de alterar as armas durante o combate.

A história é contada de maneira monótona e jogo parece não saber direito como contá-la. Entre as missões você volta para uma espécie de nexus, ou base de operações (cujas funções poderiam tranquilamente serem traduzidas num simples menu), alternando com cenas risíveis de diálogo entre personagens mal animados. Essas inserções são absolutamente dispensáveis e acabam quebrando o ritmo do jogo.

Se fosse menos pretensioso e abraçasse mais seu lado shmup, DXM seria mais divertido e gostoso de se jogar, dada à sua estética e combate interessante. Entretanto, esses problemas com a quebra de ritmo, associados à falta de variedade nos cenários, o torna um jogo apenas mediano, desperdiçando seu potencial.

Os pontos altos são o multiplayer (local e online) e as possibilidades de customização dos mechas.

Nota: 7/10